terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

Guia Oscar 2012 - Os Atores

Os protagonistas...

George Clooney
Os Descendentes

Como aconteceu com alguns astros de Hollywood na década de 1990, a carreira de George Clooney estourou com o sucesso do seriado de televisão E.R., chamado na TV aberta brasileira de Plantão Médico. De lá para cá, não teve para ninguém. Clooney foi um dos nomes no elenco de Um Drink no Inferno, de Robert Rodriguez, fez par romântico com as atrizes Michelle Pfeiffer e Nicole Kidman (Um Dia Especial e O Pacificador, respectivamente) e "cometeu" o famigerado Batman & Robin, sob a direção de Joel Schumacher. O ator começou a se firmar na indústria por intermédio de suas parcerias com o cineasta Steven Soderbergh, com quem fez Irresistível Paixão, Solaris, O Segredo de Berlim e a trilogia Ocean (Onze Homens e Um Segredo, Doze Homens e Outro Segredo e Treze Homens e um Novo Segredo). A franquia possibilitou a Clooney ter mais liberdade em Hollywood, viabilizando a realização de um antigo sonho, comandar um set de filmagens. O ator já dirigiu e roteirizou quatro longa metragens: Confissões de uma Mente Perigosa, Boa Noite e Boa Sorte, O Amor não tem Regras e, mais recentemente, Tudo pelo Poder. O ator também é colaborador dos irmãos Coen, protagonizando três filmes dos cineastas: E aí, meu irmão, cadê você?, O Amor Custa Caro e Queime Depois de Ler

Suas chances nesta edição do Oscar: Há poucas semanas atrás, Clooney era franco favorito à estatueta de melhor ator por Os Descendentes. A vitória de Jean Dujardin na premiação do sindicato dos atores dificulta uma premiação de Clooney nesta edição do Oscar. Como o ator é bem quisto pela comunidade e trabalha muito bem ao vivo diante das câmeras, sua vitória na categoria não pode ser descartada.

Indicações anteriores: Melhor ator por Amor sem Escalas (2009), melhor ator por Conduta de Risco (2007), melhor diretor por Boa Noite e Boa Sorte (2005),  melhor roteiro original por Boa Noite e Boa Sorte (2005).

Vitórias anteriores: Melhor ator coadjuvante por Siryana - A Indústria do Petróleo (2005).

Brad Pitt
O Homem que Mudou o Jogo

William Bradley Pitt começou a carreira desacreditado. Um dos galãs da década de 1990, Brad Pitt explorou o quanto pôde sua estampa em filmes como Thelma e Louise, Encontro Marcado e Tróia. Entre estes longas que exigiam somente a presença do física do ator, Pitt conseguiu estabelecer parcerias interessantes com diretores como David Fincher e Guy Ritchie, protagonizando Seven, Clube da Luta e Snatch - Porcos e Diamantes. Ainda assim, Pitt levava - merecidamente, diga-se de passagem - a alcunha de ser um dos maiores canastrões de Hollywood. Em 2005 as coisas começaram a mudar, ao assumir o relacionamento com sua parceira de cena em Sr. e Sra. Smith, Angelina Jolie, influenciado por ela ou não, Pitt começou a assumir projetos mais sérios, que lhe exigiam mais como intérprete. São dessa safra Babel, de Alejandro González-Iñarritú, O Curioso Caso de Bejamin Button, terceiro filme que o ator fez com David Fincher, e Bastardos Inglórios, de Quentin Tarantino. A glória maior veio com a premiação no Festival de Cinema de Veneza, o ator conquistou a Coppa Volpi de melhor ator por O Assassinato de Jesse James.

Suas chances nesta edição do Oscar: Brad tem a seu favor o filme que protagoniza, já que vez ou outra a Academia tem uma queda por filmes de esportes. Além disso, o ator está no auge de seu estrelato e de sua carreira (A Árvore da Vida está aí para comprovar). Ainda conta a seu favor a ausência de prêmios no currículo.
Indicações anteriores: Melhor ator por O Curioso Caso de Benjamin Button (2008), melhor ator coadjuvante por Os 12 Macacos (1995).
Vitórias anteriores: -

Jean Dujardin
O Artista

O francês Jean Dujardin começou a fazer fama no seu país de origem com suas incursões no show de talentos Graines de Star, em 1996. A partir de então, Dujardin fez carreira na televisão como humorista, participando de um um grupo de comediantes chamados Nous Nous C. A carreira do ator no cinema explodiu quando ele protagonizou Brice de Nice, uma comédia que instantaneamente tornou-se sucesso na França. Ainda assim, o papel mais lembrado de Dujardin em sua terra foi OSS 117 ou agente Hubert Bonisseur de La Bath em Agente 117 . O filme rendeu uma continuação e a oportunidade de conhecer o diretor Michel Hazanavicius, diretor de O Artista, filme pelo qual foi indicado ao Oscar e que é franco favorito na categoria principal da premiação, a de melhor filme.

Suas chances nesta edição do Oscar: A Academia adora abraçar um talento estrangeiro vez ou outra - o caso de Marion Cotillard (Piaf - Um Hino ao Amor) e Christoph Waltz (Bastardos Inglórios), recentemente. Além disso, O Artista é o filme mais comentado da lista e uma clara homenagem à sétima arte. Sem mencionar os prêmios que Dujardin anda surrupiando de dois queridinhos da comunidade, Clooney e Pitt.

Indicações anteriores: -

Vitórias anteriores: -

Gary Oldman
O Espião que Sabia Demais

Gary Oldman foi um dos nomes mais celebrados durante o anúncio da lista de indicados. O ator merece um prêmio há anos e surpreendentemente foi pouquíssimas vezes mencionado pela Academia. Gary Oldman começou a receber os holofotes em 1983, quando interpretou Sid Vicious, ex-integrante do Sex Pistols, em Sid e Nancy - O Amor Mata. A grande oportunidade para o inglês nos EUA surgiu com o convite de Francis Ford Coppola. O lendário cineasta convidou Oldman para encarnar o Conde Drácula em sua versão para o romance de Bram Stoker que iria estrear nos cinemas em 1992. Drácula de Bram Stoker submeteu o ator a um processo exaustivo de ensaios e sessões de maquiagem, sem contar os inúmeros desentendimentos que o ator teve com Coppola. Oldman nunca aceitou a posição submissa que a maioria dos atores têm diante de diretores e muitas vezes discordava da visão de Coppola na condução do filme. O longa até hoje é reconhecido como a versão definitiva do clássico Drácula para o cinema. Como Oldman nunca almejou o estrelato em grandes produções, participou de projetos pontuais nos anos seguintes, filmes como Amor à Queima Roupa, O Profissional, O Quinto Elemento, A Letra Escarlate e A Conspiração. Nos últimos anos, Oldman ganhou popularidade ao assumir personagens icônicos em duas grandes séries cinematográficas. O ator viveu o Comissário Gordon na franquia Batman, de Christopher Nolan, e interpretou Sirius Black nos filmes da série Harry Potter.

Suas chances nesta edição do Oscar: Oldman pode se dar por satisfeito por ver seu nome incluído na lista deste ano. Quem sabe é o início de uma história na Academia?

Indicações anteriores: -

Vitórias anteriores: -

Demián Bichir
A Better Life

O mexicano Demián Bichir é a surpresa da lista, mas sua indicação não é tão surpreendente assim. Bichir foi indicado na premiação do sindicato dos atores deste ano, menção que Gary Oldman, por exemplo, não recebeu. O ator começou sua carreira no México com séries de TV e logo foi para o cinema. O auge aconteceu com o sucesso de público da comédia sobre relacionamentos Sexo,Pudor e Lágrimas, em 1999, filme que rendeu uma versão brasileira dirigida por Jorge Fernando em 2004. Em 2001, o ator esteve em Sem Notícias de Deus, ao lado de Penélope Cruz e Victoria April. A grande oportunidade de Bichir veio pelas mãos de Steven Soderbergh. O cineasta norte-americano convidou o ator para viver Fidel Castro na cinebiografia de Che Guevara que filmou em duas partes, ambas com Benicio DelToro no papel título. Che pode não ter conquistado tantas paixões na comunidade mas permitiu ao ator uma visibilidade que o levou a séries consagradas como Capadocia e Weeds. Logo em seguida surgiu o convite de Chris Weitz para o ator viver o protagonista de A Better Life, um jardineiro mexicano que tenta afastar seu filho do tráfico de drogas em Los Angeles.

Suas chances nesta edição do Oscar: O ator pode se dar por satisfeito com sua indicação.

Indicações anteriores: -

Vitórias anteriores: -

Os coadjuvantes...

Christopher Plummer
Toda Forma de Amor

Na ativa desde a década de 1950, Christopher Plummer recebeu sua primeira indicação ao Oscar somente em 2009, quando viveu o escritor russo Leon Tolstoi em A Última Estação. Mais conhecido por interpretar o Capitão Von Trap, par de Julie Andrews em A Noviça Rebelde, Plummer passou a ser um dos coadjuvantes favoritos de Hollywood. Esteve em filmes como Uma Mente Brilhante, O Informante, O Novo Mundo, O Plano Perfeito e Malcolm X, soberbo, mas sem nunca ser notado. Dedicou-se ao teatro, o que lhe proporcionou duas vitórias no Tony Awards, premiação máxima da Broadway, na categoria melhor ator por Cyrano e Barrymore. Plummer é o tipo de caso do coadjuvante notável e veterano que inacreditavelmente nunca teve o talento reconhecido pela Academia.

Suas chances nesta edição do Oscar: Favorito incontestável. Plummer venceu todos os prêmios possíveis na categoria, praticamente invencível.

Indicações anteriores: Melhor ator coadjuvante por A Última Estação (2009).

Vitórias anteriores: -

Max Von Sydow
Tão Forte e Tão Perto

Segundo veterano da lista, mais sortudo que Plummer (curiosamente nascido no mesmo ano que este), é verdade. Von Sydow ganhou notoriedade ao dar vida ao Padre Merrin em O Exorcista. O sueco integrou o elenco de filmes como Conan, O Bárbaro, 007 - Nunca Mais Outra Vez, Duna, Hannah e suas Irmãs Pelle - O Conquistador. Mais recentemente, o ator estev em produções de sucesso como O Escafandro e a Borboleta, Minority Report e Ilha do Medo, em papéis menores. Retorna à lista de indicados após 21 anos desde a sua primeira e única indicação.

Suas chances nesta edição do Oscar: Von Sydow foi a grande surpresa da lista. Seu filme estava desacreditado - recebeu péssimas críticas - e não foi mencionado em prêmios como o Globo de Ouro e o SAG, prêmio do sindicato dos atores. No entanto, vários especuladores começaram a levantar a suspeita de que pode ser o adversário direto de Plummer. Afinal de contas, a única indicação de Tão Forte e Tão Perto, fora a de melhor filme, foi para ator coadjuvante.

Indicações anteriores: Melhor ator por Pelle - O Conquistador (1989).

Vitórias anteriores:  -

Kenneth Branagh
Sete Dias com Marilyn

Britânico, Kenneth Branagh acabou fazendo uma carreira mais interessante como diretor, o que não quer dizer que não tenha entregue desempenhos formidáveis. Branagh começou a carreira de ator com uma participação não creditada em Carruagens de Fogo, filme vencedor do Oscar de 1981. Desde então, o ator dedicou-se a séries de TV e retorna ao cinema com grande destaque em Henrique V, adaptação cinematográfica da obra homônima de William Shakespeare que dirigiu e protagonizou. Com este trabalho, Branagh ficou conhecido como um do melhores intépretes (ator e cineasta) de Shakespeare nas telonas. Além de Henrique V, Branagh dirigiu e atuou em Muito Barulho por Nada, Hamlet. Branagh também exerceu as mesmas funções em Frankenstein, adaptação do livro de Mary Shelley para o cinema. Como ator continuou trabalhando e viveu o Professor Gilderoy Lockheart em Harry Potter e a Câmara Secreta, ainda "brincando" com Shakespeare, além de participar de filmes como Operação Valquíria e Geração Roubada. O último filme que Branagh dirigiu foi a super-produção da Marvel Thor.

Suas chances nesta edição do Oscar: Ainda que Branagh se beneficie por interpretar Sir Laurence Olivier em Sete Dias com Marilyn seu favoritismo na temporada se esvaiu com as vitórias de Plummer.

Indicações anteriores: Melhor roteiro adaptado por Hamlet (1996), melhor curta metragem por Swan Song (1992), melhor ator por Henrique V (1989) e melhor diretor por Henrique V (1989).

Vitórias anteriores: -
Nick Nolte
Guerreiro

Nick Nolte começou a carreira em 1969 na televisão norte-americana. A visibilidade chegou na década de 1970, quando começou a protagonizar filmes como Louca Perseguição e O Fundo do Mar. No entanto, o auge da filmografia de Nolte foi na década de 1980, época que rendeu ao ator papéis de relevo como os que interpretou em Paixões sem Destino Sob Fogo Cerrado. Os prêmios começaram a acontecer no início dos anos 1990 com filmes como Cabo do Medo, de Martin Scorsese, O Príncipe das Marés e O Óleo de Lorenzo, culminando com Temporada de Caça em 1997. Em 2002, o ator passou por um períod turbulento e acabou sendo preso por dirigir embriagado, confirmando a fama de beberrão que o ator cultivou durante anos. O grande retorno de Nolte viria em 2003, quando viveu o pai de Bruce Banner e grande vilão de Hulk, longa de Ang Lee.

Suas chances nesta edição do Oscar: A indicação de Nolte como o pai de dois lutadores de MMA em reabilitação em Guerreiro andou na corda bamba por muito tempo. O ator quase não era indicado, pode-se dar por satisfeito por ter sido lembrado.

 Indicaçõe anteriores: Melhor ator por Temporada de Caça (1997) e melhor ator por O Príncipe das Marés (1991).

Vitórias anteriores: -

Jonah Hill
O Homem que Mudou o Jogo

O que o cara de Superbad está fazendo na lista de coadjuvantes masculinos do Oscar? A indicação de Jonah Hill pode ser mais uma daquelas excentricidades da Academia como também pode ser o reconhecimento de um desempnho realmente interessante em O Homem que Mudou o Jogo, aquele tipo de oportunidade em filmes dramáticos que comediantes agarram como ninguém. O indicado mais jovem da lista estreou nas telonas na comédia experimental de David O. Russell, Huckabees - A Vida é uma Comédia. Hill esteve em Ligeiramente Grávidos e Tá Rindo do que?, além do já citado Suprbad, o que o tornou um dos afilhados profissionais de Judd Apatow, novo Midas da comédia norte-americana.

Suas chances nesta edição do Oscar: Há quem se incomode com sua presença entre os indicados, o que é suficiente para excluir suas chances de vitória.

Indicações anteriores: -

Vitórias anteriores: -

Nenhum comentário: