quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

Listão 2012 - Atores


Melhor Ator
Ryan Gosling
Drive
Ryan Gosling não precisa mais provar que não é apenas mais uma carinha bonita que saiu do Clube do Mickey Mouse. O currículo do ator fala por si só no quesito atuação: Diário de uma Paixão, A Passagem, Half Nelson, A Garota Ideal, Namorados para Sempre e Tudo pelo Poder. O ator já esteve aqui em 2009 com A Garota Ideal, interpretação tão surpreendente quanto a que ele entrega em Drive, estreia surpreendente do diretor Nicolas Winding Refn. Na pele de um dublê para perseguições de automóveis de Hollywood, Gosling é de poucas palavras, mas muito expressivo, carinhoso e perigoso na mesma proporção. Chamado de driver durante todo o filme, o ator transforma esse homem "sem passado" em uma figura que oscila entre a sensibilidade e a força bruta e selvagem. Uma cena em especial, provavelmente a mais emblemática do filme, traz esse caráter do personagem. O driver tenta salvar sua paixão, a vizinha Irene, de um grupo de criminosos. Ele a beija e momentos depois esmaga a cabeça do bandido a chutes, tudo dentro de um elevador. Veja abaixo as palavras do diretor e de Gosling sobre o protagonista do filme:



Outros nomes considerados:


Leonardo DiCaprio em J. Edgar -> 
Clint Eastwood já errou muito nos últimos anos, mas um de seus acertos recentes é J.Edgar, que traz uma das melhores interpretações da carreira de Leonardo DiCaprio. O ator vive o intolerante e lendário ex-diretor do FBI. Um dos aspectos mais interessantes da performance de DiCaprio foi a forma com que ele conduziu todo o processo de rejeição de Edgar com a própria sexualidade.

Jean Dujardin em O Artista -> Fazer um filme mudo em pleno século XXI é uma tarefa mais difícil do que se possa imaginar. Jean Dujardin não só teve que aprender a se expressar o máximo que pôde através da linguagem corporal, como teve que se adequar às técnicas de interpretação da era de ouro do cinema mudo para dar vida a George Valentin, papel que lhe rendeu um Oscar.

Michael Fassbender em Shame -> Vencedor do Festival de Veneza 2012 por esse desempenho, Michael Fassbender interpreta um executivo viciado em sexo no drama Shame, um ótimo estudo de personagem que adentra no universo de um homem solitário e com dificuldades de estabelecer laços afetivos até mesmo com sua afetuosa irmã. 


Denis Lavant em Holy Motors -> No comentário que fiz sobre Holy Motors disse que o desempenho de Denis Lavant era esquizofrênico. O ator está impecável na pele de um ator em busca de sua própria identidade como artista na medida em que interpreta diversos personagens ao longo da narrativa. Lavant é versátil e não deixa de tratar com cuidado meticuloso cada nova transformação a que é submetido.

Michael Shannon em O Abrigo -> Tá ai um ator que merece ser conhecido. Michael Shannon está dilacerante na pele de um homem que prevê o fim do mundo e deixa todos ao seu redor (e o espectador) com dúvidas sobre sua sanidade. Esse desempenho limítrofe entre a razão e a loucura é uma prova definitiva da competência de Shannon. Quem não o conhece, passe a conhecê-lo.

Melhor Ator Coadjuvante
Ezra Miller
Precisamos Falar sobre o Kevin
Temos um forte por figuras problemáticas nessa categoria. Já estiveram aqui Heath Ledger por Batman - O Cavaleiro das Trevas, Jackie Earle Haley por Pecados Íntimos, Jack Nicholson por Os Infiltrados, Christoph Waltz por Bastardos Inglórios e, recentemente, Ben Mendelsohn por Reino Animal. O escolhido da vez é Ezra Miller que consegue roubar a cena de ninguém mais, ninguém menos que Tilda Swinton, em Precisamos Falar sobre o Kevin. Arrogante, provocador e doentio, o adolescente vivido pelo ator tem uma relação complicada com sua mãe e sua vontade prejudicá-la e condená-la a um eterno calvário é tão extrema que ele provoca um verdadeiro extermínio no colégio em que estuda. O ator também esteve ótimo em As Vantagens de ser Invisível, outro filme que trazia o seu nome e que estreou em 2012 no Brasil. A seguir, uma das melhores cenas de Miller no filme, seguida de uma entrevista do ator durante a campanha do filme no Festival de Cannes:






Outros nomes considerados:



Michael Caine em Batman - O Cavaleiro das Trevas Ressurge -> O terceiro capítulo da saga de Christopher Nolan sobre o Homem-Morcego possibilitou a Michael Caine protagonizar algumas das cenas mais cortantes da trilogia. Nos três filmes, Caine foi impecável como o mordomo Alfred, mas nesse capítulo ele consegue dar um enlace mais afetivo para o relacionamento entre seu personagem e o Bruce Wayne de Bale.

Tom Hardy em Batman - O Cavaleiro das Trevas Ressurge -> Tom Hardy esteve muito bem esse ano em Guerreiro e Os Infratores, mas o vilão Bane é uma prova viva do empenho do ator quando mergulha em um personagem. Sem utilizar a boca como artifício, Hardy tinha apenas, sua voz, seu corpo e seus olhos como elementos de expressão do apavorante, extremista e trágico vilão. 

Ben Kingsley em A Invenção de Hugo Cabret -> O George Méliès que conhecemos no filme de Martin Scorsese é um homem desiludido e amargurado pela incompreensão do seu tempo. Kingsley carrega esse personagem com tanta dignidade e respeito que acaba protagonizando alguns dos momentos mais emocionantes do filme ao lado do garoto Asa Butterfield.

Guy Pearce em Os Infratores -> Mais um psicopata se junta à lista do blog. Sem um grande vilão não há western ou filme de gangster que dê liga. O frio personagem de Guy Pearce em Os Infratores é certeiro nesse sentido, causando temor pelos irmãos liderados pelo personagem de Tom Hardy no filme. Pearce é assustador sem fazer o menor alarde. Esses são os piores.


Max Von Sydow em Tão Forte e Tão Perto -> O filme de Stephen Daldry falha em alguns pontos, mas a interpretação de Max Von Sydow é tão marcante que foi responsável por garantir uma vaga no Oscar para o filme. Sydow interpreta o vizinho do garoto que é protagonista no longa. Ele não fala e se corresponde apenas através de seu bloco de anotações. No entanto, sua história é mais forte que isso e quando revelada não há como segurar a emoção.

Um comentário:

bruno knott disse...

Só não concordo tanto com o Tom Hardy, ainda que eu o considere um excelente ator. Não nego que ele fez o possivel para tornar o personagem interessante, mas esse lance de não mostrar o rosto prejudicou bastante.