domingo, 31 de agosto de 2014

Drops: Lucy


Lucy surge da mente de Luc Besson a partir de uma ideia estapafúrdia. O filme tem uma premissa questionável pela própria ciência (a de que usamos apenas 10% da capacidade de nosso cérebro) e o realizador mergulha fundo nessa ideia. Assim, o projeto tem um início promissor que começa a desandar quando sua protagonista acaba absorvendo em seu corpo uma dose altíssima de uma droga que potencializa as habilidades humanas. Scarlett Johansson, uma "super-mulher", mostra-se cada vez mais eficiente como heroína de ação - a atriz parece ter enfim encontrado seu lugar no cinema. No entanto, as ideias de Besson e a forma com que ele compra sua própria "viagem" acaba prejudicando Lucy e qualquer sensação agradável de entretenimento que possa causar na plateia é atropelada pelo irrefreável diretor.

Um comentário:

Stella Daudt disse...

Wanderley, preciso discordar da "ideia estapafúrdia". Conversando com amigas que já são mães, constatamos que uma das gratas transformações pelas quais passamos na gravidez está a sensação de estarmos mais criativas e inteligentes. Algum hormônio maravilhoso causa isso. Pena que seja passageiro! Nascidos os bebês, voltamos ao normal. Bem gostaria de tomar doses desta substância de vez em quando. Ainda não vi o "Lucy", mas penso que vou achar tudo muito natural! ;-)