quarta-feira, 18 de novembro de 2015

Malala



Ativista pelos direitos das mulheres e pela educação, a pessoa mais jovem a receber o prêmio Nobel, capa da revista Time, que a considerou em 2013 uma das cem pessoas mais influentes do mundo... Malala Yousafzai tem apenas 18 anos mas já tem associada ao seu nome uma série de títulos e feitos que a tornaram símbolo de uma luta contra as ações opressoras do Talibã, movimento fundamentalista islâmico que se difundiu no Paquistão, sobretudo contra as mulheres e o direito delas terem acesso à educação. 

O documentário Malala narra a trajetória de Malala Yousafzai desde a origem do seu nome, escolhido pelo pai Ziauddin em homenagem a uma guerreira afegã, até os acontecimentos que sucederam o ataque talibã sofrido pela jovem e suas colegas próximo de uma escola. Entre depoimentos de Malala, Ziauddin e do restante dos membros da família Yousafzai, hoje todos residentes na Inglaterra, e animações que remontam algumas passagens da história da jovem ativista antes do ataque covarde que sofrera, o diretor Davis Guggenheim, de Uma Verdade Inconveniente, contrói uma narrativa abertamente pró-educação. Por intermédio da luta de Malala, a mensagem do diretor é clara: a educação abre as portas, engrandece, torna o ser humano mais crítico e preparado para construir um mundo melhor. Não há camuflagem de discursos ou conemporizações em Malala

Malala é um documentário que assume um partido e é completamente afetuoso e admirador da sua protagonista sem que isso confira deméritos a obra. Ao mesmo tempo em que Guggenheim consegue fazer do filme uma bandeira ideológica, ele não traz grandes afetações melodramáticas e discursos vazios. O realizador busca ir ao íntimo da sua personagem principal, extraindo feridas e acompanhando de perto o dia-a-dia da família Yousafzai, que como qualquer grupo familiar é marcado por hierarquias, conflitos e contradições, mas também por muito amor, implicâncias entre irmãos e relações de sucessão. Tudo é construído para tornar Malala próxima do espectador, criando empatia com a protagonista do documentário, mas sem dramalhões. 

O filme de Davis Guggenheim não é inovador em seu gênero, tampouco deseja ser. Em sua narrativa documental repleta de chavões no formato (os flashbacks em animação, os depoimentos dos envolvidos, a linearidade cronológica etc.), Malala encontra sua relevância e é eficiente em seus propósitos ideológicos. Guggenheim acerta ao evitar qualquer sensacionalismo no retrato da trajetória ainda breve de Malala fazendo com que, no fim das contas, o documentário seja um relato sóbrio de sua biografada revestido por uma completa adesão a sua causa. 


He named me Malala, 2015. Dir.: Davis Guggenheim. Documentário. Fox, 88 min.

Nenhum comentário: