sexta-feira, 10 de junho de 2016

(Drops) Os Cowboys



Os Cowboys é representante de um tipo de cinema francês que não costuma ser muito associado às produções do país, mas que anda cada vez mais frequente por lá. O filme de Thomas Bidegain, estreando como diretor após roteirizar os longas de Jacques Audiard (O Profeta, Ferrugem e Osso e Dheepan) traz uma França que não é o cartão postal das produções vindas de lá mais populares por aqui. Assim como fez nos longas em que apenas roteirizou, em Os Cowboys Bidegain explora um lado pouco glamourizado do seu país em uma história que envolve com os problemas sociais e políticos decorrentes dos processos de imigração e como eles são convertidos no âmbito privado dos seus personagens, levando-os a conflitos e decisões extremadas.

Em Os Cowboys, vemos um casal ser devastado após o desaparecimento da filha mais velha. A tragédia acompanha a família por anos e o patriarca não desiste da ideia de reencontrar a garota mesmo depois de saber que o seu sumiço acontece por decisão dela própria. Além de sair da casa de seus pais, a garota muda de nome e religião em razão do seu relacionamento com um mulçumano. Do que acontece em Os Cowboys após a sua premissa é a persistência desse patriarca no resgate da filha e como uma vida dedicada a tal missão afeta o seu filho mais novo, que acaba sendo uma peça fundamental para o pai nesta jornada. 

Intérprete de Alain, protagonista dessa história por alguns minutos, François Damiens se entrega no papel desse pai em frangalhos, mas o grande destaque do longa é o jovem Finnegan Oldfield, que carrega o filme no papel do "filho que restou" na família protagonista da fita. É na jornada deste último personagem que Bidegain concentra as suas atenções e ele faz isso de maneira muito interessante, possibilitando que o jovem Georges (Oldfield), chamado por todos de Kid, construa uma trajetória significativa na trama.

O olhar de Bidegain para toda a sua história é seco e econômico. O realizador estreante faz um trabalho marcado pela lucidez ao evitar qualquer exibicionismo técnico, reservando ainda um tratamento respeitoso para os delicados conflitos culturais entre os franceses e seus imigrantes muçulmanos, observando os dois lados da questão com as ponderações que merecem.

Sem maior estardalhaço ou exagerado otimismo, mas profundamente sensível e atento na condução da trajetória do seu personagem central, Os Cowboys é um filme que trata dos nossos erros e acertos na vida e de como aprendemos a sermos mais serenos e maduros por conta deles. No final das contas, é um filme marcado por um olhar sóbrio sobre a vida e relações humanas, não perdendo de vista ainda o afeto e o olhar solidário para as feridas e processos de aprendizagem dos seus personagens e inserindo-os em contextos sócio-culturais que são maiores do que eles mesmos.


Les Cowboys, 2015. Dir.: Thomas Bidegain. Roteiro: Thomas Bidegain e Noé Debré. Elenco: Finnegan Oldfield, François Damiens, John C. Reilly, Agathe Dronne, Ellora Torchia, Antoine Chappey, Maxim Driesen, Gilles Treton, Mounir Margoum. Bonfilm, 104 min.

Assista ao trailer:

Nenhum comentário: